Semeando Esperança


25/10/2010 – A vida no oposto
25/10/2010, 5:31 pm
Filed under: Semanal

Em alguns textos anteriores, comentei sobre como Deus costuma escolher os fracos ao invés dos fortes, os que se humilham ao invés dos que se exaltam. Ou seja, o agir de Deus sempre vai contra a maré do que o mundo acredita ser o certo. Quando Paulo diz em I Corintios 11:1 que temos que imitar a ele pois ele imita a Cristo e quando Jesus diz em João 14, “quem vê a mim, vê o pai”, podemos entender que o desejo de Deus é que nós façamos como Ele faz. Como está escrito na oração do Pai nosso em Mateus 6 – que seja feito na Terra, como é feito nos céus. Assim como Deus age contra a maré, no oposto do rumo natural da vivência humana, nós também temos que aprender a agir da mesma forma.

Um dos maiores exemplos que podemos citar de ‘vida no oposto’ é o de José no Egito. Começando em Gênesis 37, a Bíblia nos relata a vida dele que pode-se colocar em tópicos assim:

– Ainda adolescente, teve dois sonhos que via sua família se curvando perante ele. Isso gerou ciúme em seus irmãos;
– Aos 17, seus irmãos o vendem como escravo e diz ao seu pai, Jacó, que José morreu;
– José trabalha na casa de Potifar, um homem rico do Egito e se torna o chefe da casa, agindo em nome do dono;
– Acusado injustamente pela mulher de Potifar de abuso, é mandado para a cadeia;
– Na cadeia, se torna responsável por todos os presos, abaixo apenas do carcereiro;
– José interpreta um sonho e salva a vida do copeiro-mor da casa de Faraó, mas é esquecido;
– Dois anos depois, é chamado pelo mesmo copeiro que o havia esquecido para interpretar um sonho de Faraó;
– Ao interpretar o sonho corretamente, é erguido a vice-rei do Egito, responsável pelo governo e investido da autoridade do Faraó;
– Prospera o governo do Egito e recebe estratégias de Deus para preservar mantimentos durante a seca;
– Os irmãos vem ao Egito para comprar alimentos e José os recebe;
– Após alguns eventos, ele se revela aos irmãos e os chama para habitar no Egito, como convidados de honra de Faraó.

José sempre ‘agiu no oposto’ – não porque era especialmente virtuoso, nem nada do gênero. É que todas as vezes em que foi injustiçado, nunca teve o direito de agir de imediato – seja com os irmãos que o venderam como escravo, com a mulher de Potifar que o acusou injustamente ou com o copeiro que o esqueceu na cadeia. Ele foi privado do direito de resposta para aprender que Deus respondia por ele – assim ele aprendeu a agir como Deus age.

Além disso, outras muitas lições podem ser tiradas da vida de José, mas neste texto quero destacar apenas outras três que servem para todos os que buscam agir como Deus deseja.

1) Em todas as situações, José sempre foi o segundo no poder – agia na autoridade de outra pessoa. Primeiro, com a autoridade de Potifar. Depois, com a autoridade do carcereiro. Por fim, com a autoridade de Faraó. A primeira lição que podemos aprender com José é que o modo de agir corretamente é reconhecer que mesmo tendo autoridade, ela não está em nós. Jesus agia em nome do Pai. Nós agimos em nome de Jesus. E, assim como José não conseguiria nada se não fosse a autoridade por trás dele, nós também não iremos a lugar algum se não formos apoiado pela autoridade que nos reveste.

2) A segunda lição que podemos aprende é que Deus não vai nos dar algo para o qual ainda não estamos preparado. A maior dádiva de Deus não é a benção em si, mas o preparo para que possamos aproveitá-la ao máximo. Assim como aos poucos ele foi entendendo que a autoridade não estava de fato nele, ele também foi aprendendo como reconhecer a presença de Deus na vida dele. Isto o levou a agir conforme o plano de Deus para ele e para o povo de Israel. Ele só foi para a casa de Potifar quando estava pronto, assim como só saiu da cadeia quando estava preparado para ser o vice-rei do Egito. Por isso que quando seus filhos nasceram, ele os nomeou de Efraim (Deus me fez frutificar na terra da minha aflição) e Manassés (Deus me fez esquecer do meu sofrimento) – José aprendeu que o propósito da vida dele não seria alterado pelas condições do mundo. A obra de Deus é completa em nossas vidas quando geramos Manassés e Efraim – o sofrimento fica para trás e os frutos aparecem.

3) Por fim, o que podemos aprender com a vida de José é que se você foi escolhido para ser grande, não existe situação que tire isto de você. Não importa se você é um escravo ou um prisioneiro, não importa se sua família de despreze, não importa se no seu trabalho você não seja reconhecido, não importa se na sua igreja você não seja valorizado. Independente de onde estiver, a autoridade de Deus na sua vida irá fazer com que você assuma uma posição de destaque. Não estou falando daquela história que costuma se dizer em igrejas que “Deus te fez pra cabeça e não cauda, por isso não aceite nada que não seja o topo”. Apenas um fato que está presente na vida de quem se submete a vontade de Deus – do mesmo modo que não dá pra esconder a casa edificada sobre o monte (Mateus 5:14), não se pode privar que o escolhido de Deus ganhe a sua posição devida.

Não se trata de ser um “do contra”, repudiando tudo que acontece ao nosso redor. Mas sim de buscar em Deus a resposta de como agir em cada situação que vivemos, até o dia em que cheguemos ao lugar em que Deus nos preparou.


1 Comment so far
Leave a comment

[…] falei um pouco sobre José no texto “A vida no oposto”, destacando como a postura dele sempre foi contrária ao que era frequente no mundo na época ou […]

Pingback by 15/08/2012 – Caminhar e Perseverar « Semeando Esperança




Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s



%d bloggers like this: